https://cbpc.org.br/wp-content/uploads/2017/11/1-6.jpg

Meu nome é William, eu tenho 25 anos e congrego na Igreja Batista do Guará II.

Eu conheci o projeto AMOR QUE FAZ com uns amigos. A partir desse encontro com esses amigos eles me falaram do AMOR QUE FAZ e realmente isso me chamou muita atenção porque eu sempre tive essa vontade de fazer missões, e quando eu fiquei sabendo do projeto realmente me bateu aquela vontade de ir e de conhecer, de estar nas ruas pregando o evangelho.

Nós abordamos um senhor em uma casa, primeiramente nós batemos palmas e não saiu ninguém, posteriormente avistamos um senhor meio distante e aquilo me chamou muita atenção, ele estava meio afastado numa plantação e chegamos até ele eu e a equipe que eu estava começamos a falar sobre o amor de Jesus, relatando que teríamos um projeto, que estava tendo uma ação social em uma determinada igreja, mas logo ele demonstrou uma certa agressividade em relação a isso. Falamos que estávamos ali com o propósito de pregar o amor de Jesus e ele sempre demonstrando uma agressividade e aquilo foi me incomodando bastante até o ponto de ele falar que não queria saber daquilo diretamente, porque ele tinha uma religião…Então, começamos a falar novamente sobre o amor de Jesus, um ponto que como eu estava falando com ele diretamente, eu comecei a fala sobre o amor mesmo e que Jesus o amava, Deus tinha um plano na vida dele e da família dele e ele foi realmente se quebrantando, um homem que aparentemente estava muito rígido e muito duro foi se quebrantando. Propomos a ele um versículo e ele não aceitou, falei então: “podemos orar por você?” e ele disse” “Sim, pode orar!” Nós oramos por ele e eu sempre visei na oração o amor de Jesus e o amor que Deus tinha derramado na vida dele e realmente depois da oração percebemos que a vida dele não era a mesma, a partir da oração e ao finalizar, o semblante dele mudou e ele até chegou a tocar na minha mão e aquilo foi realmente muito impactante.

Depois da oração percebemos que a vida dele não era a mesma.

Você percebe que Deus não quer que você seja uma pessoa capacitada, que você seja aquela pessoa super inteligente e que tenha super habilidades, Deus quer que você seja uma pessoa disponível na sua obra, Deus quer que você seja a pessoa a dizer: “Eis-me aqui para a sua obra, um ser limitado, um ser pecador mas que está aqui, pronto para fazer a sua obra.

Eu vi o poder de Deus na simplicidade do evangelho e o poder de Deus, no amor que há no evangelho, isso é realmente muito gratificante para mim, realmente eu vou levar uma experiência muito boa para a minha comunidade local, que fica no Guará II. O que Deus faz está além da nossa visão e da nossa perspectiva.

A gente precisa de irmãos que fazem a obra, irmãos que estejam disponíveis em suas comunidades locais para realmente fazer um evangelismo ali, pregar o amor de Cristo nas suas redondezas e ali mesmo na sua comunidade local.

Necessariamente, não precisa fazer missões indo em outro país ou em outro estado, mas realmente na sua casa já começa missões, ali com seus familiares que não conhecem a Cristo.

[line]