https://cbpc.org.br/wp-content/uploads/2017/11/1-6.jpg

       Nos artigos anteriores, abordamos questões envolvendo o trabalho missionário e o discipulado, que como sabemos, são princípios fundamentais na nossa caminhada. Por isso, decidimos motivar você nesse artigo acerca da importância do discipulado. Afinal, por que devemos investir em pessoas?

     A resposta está nos frutos que isso gera. Os exemplos são muitos, mas basicamente tudo se resume no seguinte fato: os bons frutos que colhemos hoje é consequência do empenho dos discipuladores que viveram à décadas, séculos, milênios atrás; da mesma forma, as boas sementes que plantarmos em nosso tempo, resultará em bons frutos para as próximas gerações.

      O exemplo bíblico mais evidente que temos é o de nosso Senhor. O que seria de nós sem seu sacrifício, e seu ministério aqui na terra? E se ele não tivesse treinado e edificado seus discípulos? Cristo nos deixou bem clara a importância de continuar com o ciclo de liderança, pois mesmo antes de subir aos céus, ele disse aos seus discípulos que fizessem mais discípulos de todas as nações (Mateus 28: 19), o que de fato fizeram, o livro de Atos conta toda a trajetória deles.

       Ou seja, olhando para o que Jesus fez, percebemos que edificar discípulos é o que desenvolve os futuros líderes da igreja, para que eles evangelizem e tragam mais convertidos, que mais tarde se tornarão os novos líderes como consequência do treinamento discipulador, e assim por diante. É assim que uma igreja cresce, inalando convertidos e exalando discípulos comprometidos com a obra de Deus. Se você é líder, faça sua parte, ajude, motive, exorte, e edifique seus discípulos para que eles se tornem os líderes que vão gerar bons frutos para honra e glória de nosso Deus. Resumindo, seja um bom exemplo de líder para que seus discípulos se tornem também bons líderes.

     E lembre-se, nunca deixe de pôr em prática os princípios do Evangelho, para que Deus seja glorificado por meio de suas ações, pois como a Palavra nos diz que se não tivermos obras, nossa fé está morta (Tiago 2: 14-26).