https://cbpc.org.br/wp-content/uploads/2017/11/1-6.jpg

          Recentemente, temos abordado assuntos específicos devido ao ano eleitoral, e aos “debates” cada vez mais acalorados nas redes sociais, onde circulam muitas informações falsas que movimentam massas de manobra com muita facilidade. E foi pensando nisso que, no texto anterior (o qual pode ser acessado clicando aqui), fizemos um estudo bíblico do que seria a Verdade segundo princípios básicos do Evangelho e informações importantes que poucos dão atenção. Foi um texto importante, pois no campo dos comentários de cada publicação compartilhada estão sempre recheados de discursos inflamados, com cada indivíduo defendendo a sua verdade.

         E o que vamos abordar agora diz respeito a como devemos nos comportar nas redes de forma que sejamos um bom testemunho para aqueles que não conhecem a Cristo. Vale ressaltar que este não é um texto que prega um não-posicionamento, pois como somos filhos de Deus, é inevitável que nossos valores entrem em conflito com os valores do mundo. Entretanto, existem métodos certos e específicos que a Bíblia nos diz que devem ser usados na defesa de nossos valores e nossas pautas, e vamos falar sobre eles agora.

Não repreenda um homem mais velho; pelo contrário, exorte-o como você faria com o seu pai. Trate os mais jovens como irmãos, as mulheres mais velhas, como mães, e as mais jovens, como irmãs, com toda a pureza.

1 Timóteo 5: 1-2

          Nesse texto, o apóstolo Paulo está orientando Timóteo em como ele deve exortar as pessoas, e o mesmo vale para nós. Então, se você tiver que exortar alguém mais velho, converse com essa pessoa como se ela fosse seu pai ou sua mãe; e se é alguém mais novo, converse como se fosse o seu irmão ou irmã. Ou seja, nossa linguagem deve ser sempre mansa e respeitosa, ainda que seja com dureza às vezes. De fato, sempre entraremos em conflito com o mundo, mas nunca na intenção de fazer guerra com as pessoas que estão nele. Nosso coração deve ser amoroso e pacífico (ver Mateus 5: 3-10). Nossos adversários precisam sentir o amor de Deus em nós, temos que constrangê-los com esse amor, porque normalmente eles não esperam esse tipo de atitude de nós. Não devemos retribuir mal com mal, nem ofensa com ofensa (ver Romanos 12: 9-21; 14).

Finalmente, tenham todos o mesmo modo de pensar, sejam compassivos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes. Não paguem mal com mal, nem ofensa com ofensa. Pelo contrário, respondam com palavras de bênção, pois para isto mesmo vocês foram chamados, a fim de receberem bênção por herança. Pois:

‘Aquele que quer amar a vida e ter dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem palavras enganosas; afaste-se do mal e pratique o bem, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la. Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam o mal.’

1 Pedro 3: 8-12

Leia também:

Mateus 5: 43-48

João 3: 20-21

Tiago 1: 19-21

2 Timóteo 2: 23-26

Efésios 4: 29-30


Por João PedroSupervisão de Jornalismo – Adenildo Souza